HUMANIDADES DIGITAIS
O campo de conhecimento designado como “humanidades digitais” articula e integra saberes das ciências da engenharia, das ciências da computação, das ciências sociais e das artes, buscando compreender as transformações que o emergente “mundo digital” implica para a condição humana. Assim, o que está em curso é a incorporação da dimensão digital ao campo das humanidades, dentro de uma perspectiva eminentemente interdisciplinar. Isto implica incorporar os estudos das tecnologias da informação e da comunicação às problemáticas das ciências humanas e sociais e da estética, construindo novas metodologias de pesquisa.

Humanidades Digitais

O campo de conhecimento designado como “humanidades digitais” articula e integra saberes das ciências da engenharia, das ciências da computação, das ciências sociais e das artes, buscando compreender as transformações que o emergente “mundo digital” implica para a condição humana. Assim, o que está em curso é a incorporação da dimensão digital ao campo das humanidades, dentro de uma perspectiva eminentemente interdisciplinar. Isto implica incorporar os estudos das tecnologias da informação e da comunicação às problemáticas das ciências humanas e sociais e da estética, construindo novas metodologias de pesquisa.

HIPER PATRIMÔNIO
O hiper patrimônio, como campo de estudos, pesquisa e projetos de intervenção, se apresenta como um ambiente híbrido que integra as dimensões materiais e imateriais. O hiper patrimônio abre novas perspectivas para a relação experiencial com os bens patrimoniais, não mais limitada à visitação in situ, apoiada ou não em textos explicativos e imagens fotográficas, mas incluindo visitas virtuais, imersões, guiamentos por avatares, etc. Estes desdobramentos introduzem transformações profundas não apenas na experiência dos bens patrimoniais, mas também no planejamento turístico e na concepção de políticas ligadas à preservação, restauração e uso destes bens.

Hiper Patrimônio

O hiper patrimônio, como campo de estudos, pesquisa e projetos de intervenção, se apresenta como um ambiente híbrido que integra as dimensões materiais e imateriais. O hiper patrimônio abre novas perspectivas para a relação experiencial com os bens patrimoniais, não mais limitada à visitação in situ, apoiada ou não em textos explicativos e imagens fotográficas, mas incluindo visitas virtuais, imersões, guiamentos por avatares, etc.  Estes desdobramentos introduzem transformações profundas não apenas na experiência dos bens patrimoniais, mas também no planejamento turístico e na concepção de políticas ligadas à preservação, restauração e uso destes bens.

GESTÃO, INOVAÇÃO E TURISMO EM PATRIMÔNIO CULTURAL DE ORIGEM MILITAR
No Brasil são muitos e importantes os sítios históricos e o patrimônio cultural de origem militar associado, quer sejam fortes, fortalezas, casas históricas, espaços culturais, monumentos e museus. Os campos do Turismo, e da Gestão e Inovação, tem aqui um amplo espaço de experiência para implementação de projetos que envolvem diversas parcerias e modelos de gestão, articulando diversos tipos de instituições, públicas e privadas, civis e militares. Tais projetos podem valorizar práticas inovadoras de gestão e uso desses bens, bem como soluções de reuso alinhadas com a promoção do desenvolvimento situado e a preservação do patrimônio cultural.

Gestão, Inovação e Turismo em Patrimônio Cultural de Origem Militar

No Brasil são muitos e importantes os sítios históricos e o patrimônio cultural de origem militar associado, quer sejam fortes, fortalezas, casas históricas, espaços culturais, monumentos e museus. Os campos do Turismo, e da Gestão e Inovação, tem aqui um amplo espaço de experiência para implementação de projetos que envolvem diversas parcerias e modelos de gestão, articulando diversos tipos de instituições, públicas e privadas, civis e militares. Tais projetos podem valorizar práticas inovadoras de gestão e uso desses bens, bem como soluções de reuso alinhadas com a promoção do desenvolvimento situado e a preservação do patrimônio cultural.

GESTÃO DE INICIATIVAS SOCIAIS E TURISMO DE BASE COMUNITÁRIA
Gestão de Iniciativas Sociais foi o primeiro foco de atuação do LTDS, que se consolidou numa parceria com o Programa SESI de Gestão de Iniciativas Sociais ao longo dos anos de 1998 a 2006. Foram realizadas seis edições sucessivas de um curso de especialização apoiado em técnicas inovadoras de ensino, explorando recursos comunicativos da web para capacitação de extensa rede de pessoal técnico, capilarizada por todo o território nacional. A linha de pesquisa também atuou em diversas parcerias na elaboração de projetos de intervenção junto a empresas e sindicatos (com destaque para parcerias com o COEP, Furnas, Eletrobras e o Sindicato dos Auditores-Fiscais da Receita Federal). O foco de atuação da linha de pesquisa recaiu sobre empreendedorismo de interesse social, responsabilidade social empresarial, redes sociais e desenvolvimento local, sustentabilidade e padrões de consumo.

Gestão de Iniciativas Sociais e Turismo de Base Comunitária

Gestão de Iniciativas Sociais foi o primeiro foco de atuação do LTDS, que se consolidou numa parceria com o Programa SESI de Gestão de Iniciativas Sociais ao longo dos anos de 1998 a 2006. Foram realizadas seis edições sucessivas de um curso de especialização apoiado em técnicas inovadoras de ensino, explorando recursos comunicativos da web para capacitação de extensa rede de pessoal técnico, capilarizada por todo o território nacional. A linha de pesquisa também atuou em diversas parcerias na elaboração de projetos de intervenção junto a empresas e sindicatos (com destaque para parcerias com o COEP, Furnas, Eletrobras e o Sindicato dos Auditores-Fiscais da Receita Federal). O foco de atuação da linha de pesquisa recaiu sobre empreendedorismo de interesse social, responsabilidade social empresarial, redes sociais e desenvolvimento local, sustentabilidade e padrões de consumo.